sábado, 28 de julho de 2007

Saber que estás aí
que me "ouves" e me lês
e, mesmo sem nos "vermos",
sabes que te aprecio,
te admiro e te estimo!
Sabes que, mesmo silenciosa,
te pouço... ou ouço
o som da tua voz
o grito da tua alma
o tic-tac do teu coração.
© Manuel da S. Mendes - 2004

7 comentários:

É! disse...

o bom disso aqui tudo é que se tem companhia até quando se sente só...
bom dia!

Angela disse...

Que inveja de gente que descreve o sentir assim, de um jeito tão simples e tão perfeito.

Anne você garimpa cada coisa!
Super!

Walmir Lima disse...

Perfeito! Vale para todas as situações, inclusive no 'diálogo' escritor-leitor.
Como disse a Angela, que belo e rico em sensibilidade esse teu garimpo!

disse...

Ainda mais quando a autora do post garimpou o autor do poema...(que foi feito pra ela). Isso é que é garimpar....
A dona do pedaço é que é ouro puro....
Beijão

Anne M. Moor disse...

Erica: Boa tarde...
Angela e Walmir: Que bom que gostaram... Pra mim tem um significado todo especial. :-)
Lú: Obrigada linda! Bjão tbm

Walmir Lima disse...

Não sabia do detalhe. Então é especial mesmo.

Flavio Ferrari disse...

ôpa ... de garimpeira de poemas a garimpeira de poetas !!!
Abaixo a metonímia ...