domingo, 11 de maio de 2008

Padecer no paraíso

Dizem que ser mãe é padecer no paraíso. Ser mãe NÃO é sofrer, ser mãe é felicidade, mesmo que as vezes seja preocupação. Lembro muito bem olhar nos olhos do meu primeiro filho quando o colocaram em meus braços e, embora meio fechadinhos, fez um ‘click’ entre nós que perdura até hoje. E assim foi com todos os quatro. Olhares diferentes, cada um, mas fortemente ligados como se fosse pelo cordão umbilical. A felicidade que irradia pelo corpo todo é ímpar e certamente compartilhada com os pais. Ser mãe é dedicação e muito trabalho braçal no início, mas também é muita canção de ninar, muito aconchego, muito cheirar a cria, muito simplesmente sentar com eles no colo e os observar – observar o milagre da natureza. A medida que eles vão crescendo, ser mãe passa a ser saber ter paciência, saber guiar, saber impor limites e principalmente saber dizer não. É chorar de desespero, mas é chorar junto de alegria. É saber desligar o canal para deixá-los viverem suas vidas. É ficar olhando eles se esborracharem no chão e aprender a levantarem-se sozinhos, se bem que com uma mãozinha levemente escondida. É saber ser mãe, mas principalmente amiga nas horas boas e nas horas ruins. É saber aceitar que eles têm idéias diferentes das nossas, é aprender com eles. É compartilhar vidas. É entender que a vida é feita de fases e eles têm de passar por todas e que nós não podemos viver a vida deles por eles. Ser mãe é estar presente, mesmo não estando, em silêncio. Enfim, ser mãe é viver, é compartilhar, é dividir, é carinho e muito amor.

© Anne M. Moor - 2008

18 comentários:

Flavio Ferrari disse...

É por isso que mãe é uma só.
Já pensou duas com tanto amor para dar ? Nem Salomão resolveria ...

Angela disse...

E poder aliviada dizer:
Ufa, acho que mais acertei, que errei! Ufa!
(Será?)

Beijo, espero que seu dia tenha sido bem feliz!

Estamos chegando né? ;-)

Anne M. Moor disse...

Estamos sim Suzana - Sexta feira... :D :D :D
Até...

Anne M. Moor disse...

Flávio,
Mãe é uma só, mas pai tbm... O que eu escrevi creio ser igual procês!
Beijos

Maria disse...

Lindo Anne!
Partilhamos nossas histórias neste deixar crescer pleno de surpresas, lagrimas e fantasia. Olhando meus netos vejo o brilho dos olhos da vida. Segue o barco seu destino e descançamos a face na popa onde nasce o sol de cada dia.
To de volta...Beijos

A.Tapadinhas disse...

Ainda estou com um sorriso por causa das tuas palavras no meu blogue! E mantive-o até ler a tua postagem: não há nada na tua descrição que me impeça de, em vez de mãe, escrever pai. E tudo ficava igual: ternurento e verdadeiro...
Beijo paternal.
António

Anne M. Moor disse...

Isso mesmo, se bem que seria impossível tu seres meu pai... (rsrsrs)
Beijo maternal :-)

Anne M. Moor disse...

E vamo que vamo... DANÇAR!!
Beijos Graça

janice disse...

Que jeito bonito de ver.
=)
Infelizmente nem todo mundo tem essa facilidade e compreensão para entender a sua missão e isso causa sofrimentos.
Seja como mãe, profissional, enfim, nas facetas a que nos propusemos na vida.


Nunca pensei o contrário, mas depois de ler esse texto, tive certeza de que deves ser uma mãezona incrível!

Um grande abraço!

Anne M. Moor disse...

Janice,
Sei não se sou ou não, mas que tenho uma relação muito boa com os meus filhos tenho.
Obrigada querida!
Beijos saudosos

elbia disse...

Anne, has explicado maravillosamente bien el proceso de ser madre... dando los puntitos precisos de cada etapa. Yo no soy padre, pero si algún día lo soy, espero saber vivir la paternidad con esa sabiduría que tú transmites en tu vivencia de madre.

Un abrazo muy fuerte

pablo

Anne M. Moor disse...

Pablo,
És algo que vamos aprendendo durante el camino... Gracias :-)
Abrazos

Suzana disse...

Anne...
Este post pra Suzana foi pra mim? Se foi não entendi.

Anne M. Moor disse...

Não Suzana :-) Foi pra Angela. hahahahahaha
Desculpa!
Beijos

Derek disse...

Mãe, não poderia ser mais verdadeiro.......E discordo do Flavio.
Sim, podemos ter duas mães!

Anne M. Moor disse...

Derek,
É sempre tão bom te ver por aqui. E sim, pode-se ter 2 mães - tu as tiveste né? See you on Friday!
Beijão

mundo azul disse...

Ser mãe é a maneira mais fácil de aprender a tolerância e o desapego!
Os filhos são a melhor escola de vida...
Beijos e muita luz! _Zélia.

Anne M. Moor disse...

Zelia,
Obrigada pela visita. Como chegaste aqui? Irei te visitar no teu blog.
Bjos