sábado, 13 de março de 2010

Não quero mais!

Não quero mais brincar disto
Não quero mais doer
Não quero mais pensar!

Cansada estou de migalhas
Cansada estou de estar à beira
Cansada estou de vagar!

Quero o fluir do rio
A aninhar em movimentos
Circulares de ternura!

Enfim, quero “você”...

© Anne M. Moor

12 comentários:

Flavio Ferrari disse...

Cansada de vagar
e posta
a divagar

A.Tapadinhas disse...

Devagar se vai ao longe.

A divagar se vai ao céu!

Beijo celestial,
António

Anne M. Moor disse...

FF

Pois. Divagar por escrito ajuda e enxergar direito!

Bjos
Anne

Anne M. Moor disse...

António

Ao céu... quem sabe...

Beijo voador :-)
Anne

Solange Maia disse...

Anne,

vim parar aqui através do Flavio... sempre leio seus interessantes e ínteligentes comentários no Arguta... e, que bela surpresa !

suas linhas sucintas, objetivas, belas... me emocionaram.

gostei desse mar de sentimentos em síntese.

...e tantas vezes também não quero pensar...

parabéns !

beijo grande

Anne M. Moor disse...

Solange

Adorei sua visita e suas palavras... Me escrever é a melhor terapia do momento :-)...

Volta sempre.

Beijo
Anne

rm disse...

Anne,
eu gostei bastante desse texto. Mas "o fluir do rio a aninhar em movimentos circulares" é um redemoinho, não? rss

Ana Martins disse...

Linda forma de expressar o querer!

Beijinhos,
Ana Martins

Anne M. Moor disse...

rm

E não é??? rsrsrsrs

Que bom que gostaste.

Beijos
Anne

Anne M. Moor disse...

Ana

Bom te ver aqui... Obrigada!

Beijos
Anne

vittorio disse...

Adorei....não resisti... e escrevi

Nas corredeiras da vida perdi-me
Nos remansos de suas curvas quedei-me
Nas quedas me senti revolto sem revolta
Nos baixios sorvi a quietude a minha volta

Afoguei-me nas águas turvas do passado
Turbilhão de imagens brotam intermitentes
Deixei ir-se de mim a vida estou cansado
Mergulhei em sonhos de mim ausentes

Imagens de ti nas espumas esculpidas
Em cada salto um sobressalto a recordar
Rasgando o caminho nas pedras feridas
Estas ao meu lado ...não quero acordar

Fluis...te esvais...perco-te de mim em mim
Mergulho fundo ....já não te encontro
Rogo...blasfemo...não pode ser assim
Tão longe ...distante ....e tão dentro

beijos

Anne M. Moor disse...

Vittorio

Que poema bem lindo. Trouxeste lágrimas aos meus olhos...

Abraço apertado
Anne