quinta-feira, 1 de abril de 2010

Belonging


A sense of belonging arises from
A play with words in lives that
Overflow with meanings of afore
Interrelating with a feeling of kinship,
a new oneness of warmth, friendship
and happiness.


© Anne M. Moor

12 comentários:

Mr. Almost disse...

Anne,

Não seja por isso. Ainda hoje te envio uma foto, ok?

Mais do que texto e no contexto, sou homem de palavra.

(Mas depois não se queixe! Rsss...)

Beijo.

Anne M. Moor disse...

Mr. Almost

No aguardo :-) :-) :-)

Beijo
Anne

Mr. Almost disse...

Rsss...

Isso, Anne, aguarda que eu vou tomar um banho, pra parecer melhor.

Quando receber faça de conta que não recebeu; vamos deixar essa turminha muito curiosa - para não dizer bisbilhoteira - na dúvida. Ok?

Beijo.

Anne M. Moor disse...

Mr.Almost, Combinado! :-)

Mr. Almost disse...

Já chegou?... Viu?...

Anne M. Moor disse...

Mr Almost

Os cachos dourados destoam um tantinho com o brinco na orelha direita nénão????? :P rsrsrsrs

Carlos Eduardo Leal disse...

BOA PÁSCOA PARA VOCÊ E TODA SUA FAMÍLIA, ANNE
COM CARINHO E ADMIRAÇÃO,
CARLOS EDUARDO

Mr. Almost disse...

Grrr... Os brincos?... Não me denuncia, guria! Quer me entregar? Tá maluca? Rsss...

Faz de conta que não recebeu!!!!

Ahahahaha!...

Beijos!

Anne M. Moor disse...

Carlos Eduardo

Obrigada!

Bjos
Anne

Anne M. Moor disse...

Mr Almost

:-)

Bjos

Paulo Tamburro disse...

ANNE M.MOOR,

quando estive em Dallas a serviço, um velho peão me falou, mascando tabaco:

-"Cara fale o idioma da terra que você estiver ganhando dinheiro, porque, senão, parece que você não gosta daquele dinheiro"

Eu rí muito. Mas é uma excelente filosofia!

No Brasil, textos em inglês, citar
autores estrangeiros, viver olhando lá pra fora e sem identidade cultural própria , faz parte de um passado, no qual o FMI vinha aqui nos dizer como deveríamos gastar nosso dinheiro e falando em inglês.

Hoje, emprestamos dinheiro, ao FMI e falando: Português!

Colabore com o novo Brasil.

Se você está comprando em real, fale em português.

Não custa nada, é mais educado e não fica parecendo que ainda estamos naquele tempo em que ser "gringo" era ser melhor.

Somos a oitava economia do mundo, talvez a noma, está bem estamos entre as quinze primeiras.

No G20, somos o G8, merecemos ouvir e falar nosso idioma.

Já chega o mameluco, fruto do cruzamento do índio com o europeu, que não tinha nenhuma identidade cultural.

Não era indio, nem era europeu.Não era nada!

Os portuguêses jogavam fora o rabo, a orelha , e partes menos nobres do boi e os escravos inventaram a feijoada.

Viu como tiramos do nada a nossa sobrevivência?

Ajude a tornar menos enfadonho ter que aturar nórdicos falidos norte-americanos e suas bolhas irresponsáveis finaceiras do bingo em que trnasformaram o mercado de capitais ,naquele país.

E por tabela, jogaram o mundo na lixeira da crise financeira!

Falar inglês , já não tem mais graça nenhuma, prepare-se agora para falar : MANDARIN.

No meus blogs tem os meus emails.

Fique à vontade, mas falando o idiona do país, no qual você está ganhando o seu dinheiro, como me disse um dia aquele peão no estado de Dallas.

Um abração carioca!

Anne M. Moor disse...

Caro Paulo!

Obrigada pela visita.