segunda-feira, 31 de março de 2008

Incompetência

incompetência e irresponsabilidade —
escondem-se em desculpas esfarrapadas

equipamento sem cuidados
pessoal inconseqüente

falta de pessoas qualificadas
falta de assumirem seu papel

olham-se no espelho
vêem o outro

conseqüências são pagas pelo outro
nossos filhos, netos e familiares

BASTA!
ONDE ESTAMOS NÓS?


© Anne M. Moor
Figura:
www.stoa.usp.br

Este poema brotou de minha indignação com o sofrimento de minha sobrinha e sobrinha-neta causado pela pura incompetência e inconsequência de um hospital nesta cidade! Quando eu disse lá no Assertiva que nossos filhos e netos já estão pagando, era a isso que me referia neste momento. Se Deus quiser (e Ele vai querer) a menininha dos gêmeos vai vencer a luta ferrênea que ela está travando com a infecção hospitalar causada, entre outras coisa, por enfermeiros com dez dedos e DEZ ANÉIS e SEM luvas no atendimento a prematuros ou quem quer que seja!! Nossas preces e vibrações positivas a estão ajudando - a ela e à mãe desesperada! Desculpem o desabafo, mas BASTA! ONDE ESTAMOS NÓS? Os nossos sistemas de saúde e de educação foram ralo abaixo!

22 comentários:

zuleica-poesia disse...

Faço coro ao grupo de orações pela criança. Já vi enfermeira escrever com bic na mão esquerda o que deveria fazer quando chegasse ao quarto seguinte! Contei na cabeleireira e alguém respondeu: "Ora, se ela não tinha papel..." Ensinar não é facil, não!bjs.

Jorge Lemos disse...

Endosso palavra por palavra. Senti na pele ao me mutilarem, seis cirurgias, infecção hospitalar, 45 dias na UTI, 68 dias no hospital, mesmo pagaando plano de saúde padrão executivo.
Vejo hoje a saúde falida, hospitais sem nenhuma fiscalaização, planos de saúde só pensando em lucro, Governo incapaz, dengue se espalhando e matando gente, politicos roubando.
Easte o retrato indigno deste país
falido e f dido pela incopetencia, roubo e exploração.
Tambem fiquei bravo minha menina Anne.

Anne M. Moor disse...

Zuleica e Jorge:
A enfermeira em questão estava literalmente com 10 anéis grossos nos dedos sem luvas, ao tentar achar uma veia na mãozinha de um nenê prematuro de 1 quilo e 800, até que eu disse: BASTA e peguei a nenê no colo!!!!!!!!!!!!!
Fico tãooooooooooooooooooo brava cada vez que me lembro da tadinha, que graças ao médico, está hoje em OUTRO hospital, MAS sofrendo as consequências!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Isabella disse...

É muita indignação! O que se pode dizer diante de tanta inresponsabilidade?
Acredito que a oração e a fé podem modificar ou dominar um fato.

A.Tapadinhas disse...

Incompetência, disse ela, porque é benévola!
Crime, digo eu, porque sou justo!

Beijo.
António

Anne M. Moor disse...

Isabella,
A fé é o que nos sustenta em um momento desses. Obrigada pela solidariedade.
Beijos

Anne M. Moor disse...

António,
Crime é e EU não cometi outro pq estava com as mãos ocupadas acalmanda a anjinha!!!!!! Mas agora, temos que rezar e enviar energias positivas para que ela tenha forças na luta que está travando...

Vou contar uma historinha aqui para reforçar o que todos nós sabemos - NADA É POR ACASO - no dia em que estourou a infecção (antes de eu saber), eu havia ido ao centro com minha cunhada (avó) para comprar um presente e enquanto ela escolhia eu fiquei destraída olhando as coisas na loja. De repente, meu olho caiu numa figura e me atraiu até ela. Peguei na mão, era um monge de madeira levíssima em posição de meditação, deitado sobre suas próprias pernas. Comprei... Raramente compro enfeites para minha casa (a casa está cheia)... Algumas horas depois soubemos que a anjinha tinha sido acometida de enterocolite e estava na UTI lutando contra a infecção. Peguei minha sobrinha (mãe) pela mão e a levei para o quarto dos gêmeos (em casa) e colocamos o monge na cama da Alice e mentalizamos e rezamos as duas. O monge está lá e lá ficará até a Alice poder vir pra casa...
Coincidências não existem...
Beijos de fé

ianka disse...

Sogrinha, me junto à corrente de oração pela anjinha, e tenho certeza, de que ela irá superar esta batalha. Quanto à competência dos profissionais, se é assim que podemos chamá-los, pois nessas horas não parecem ter competência alguma e, mais, não parecem valorizar a vida humana que é sua obrigação por força da profissão e do juramento feito quando da colação de grau. Infelizmente cada um de nós já passou ou passará por momentos assim, sentindo na pele ou em nossos familiares a dor causada pela negligência e despreparo de determinadas criaturas irresponsáveis. Trato de fazer uma ressalva, pois, também sua recuperação dependerá de haver profissionais qualificados e que honram sua profissão, pois neles depositamos nossas vidas e a esperança de ver recuperada, o mais breve possível a indefesa e tão jovem criança, vítima do caos que evidentemente não mais podemos aceitar como normal.

Anne M. Moor disse...

Ianka querida!
Tens toda a razão. Existem SIM profissionais da saúde competentes, humanos e responsáveis. Graças a Deus conhecemos vários sendo que o médico que está cuidando da anjinha é um deles e certamente teu irmão também.

ianka disse...

Com certeza existem, me referia àquela incompetente, não generalizo, existem pessoas muito especiais. Bjs

ANA disse...

Suerte en esta travesía Anne, duro es ver como se juega con la vida de los demás, como si no valiera nada.
Un afecto y un beso,
ana.

Melissa disse...

vou orar por ela também! e a enfermeira não deve ter feito isso por falta de aviso. já está mais do que comprovado que um ato simples como este de lavar as mãos antes e depois de atender a um enfermo evita maiores complicações como esta!!! isso é que eu chamo de banalização profissional e, o que é pior, outros é que pagam (caro) por seres irresponsáveis e frios como estes... tsc, tsc... Bjo de luz e saúde!

disse...

Anne:
Revoltante. Isso é crime!
No mais, conte com minhas melhores vibrações e orações.
Beijo.

Suzana disse...

Em minhas orações ela estará, assim como voce sempre esteve.
Lembra-se quando fiz a cirurgia?
Deveria ficar no mínimo quatro dias no hospital.Sai no mesmo dia e fiquei na casa de uma amiga médica, que responsabilizou-se por isso.Adivinha porque~Segundo ela o índice de infecção hospitalar estava a níveis preocupantes.
bjs

Ernesto Dias Jr. disse...

Anne:
Orarei junto com todos. A piá há de sair dessa!

Mas me diga: era uma enfermeira mesmo ou auxiliar de enfermagem? Hospital público?

É inimaginável que médicos e enfermeiros(s) existam que não acreditam no que Luis Pasteur já clamava saber há um século e meio...

A.Tapadinhas disse...

Completamente de acordo: não há coincidências! A nossa visão é tão limitada que não conseguimos perceber as implicações dos nossos actos, até (sobretudo?) dos mais insignificantes...
Beijo.
António

Anne M. Moor disse...

Ana,
Gracias por tu cariño e solidariedad!
Besos

Anne M. Moor disse...

Melissa,
Tu conheces bem do que estou falando e já te disse uma vez que admiro a tua humanidade como médica que és... Continua sempre assim!!
Beijos de admiração

Anne M. Moor disse...

Lú e Suzana,
OBRIGADA pela força e pela força de suas orações. Precisamos muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiito disso. Neste exato momento, a anjinha está na sala de cirurgia sendo operada!!!!!!!!!!
Beijos desolados

Anne M. Moor disse...

Ernesto,
Isso aconteceu num hospital particular!! AGORA ela está num hospital público, universitário, de alta qualidade (sei que sou suspeita), que ajudei a ser o que é enquanto na administração da Universidade Federal de Pelotas. É um hospital universitário de reconhecimento nacional que atende apenas SUS. AGORA está bem cuidada, mas as consequências são terríveis...
A força das orações de todos vão ajudá-la na luta a ser travada e ajudar minha sobrinha, mãe da anja, a aguentar o tirão.
Obrigada...

Anne M. Moor disse...

É António,
Muitas vezes nem as entendemos no momento, mas um dia passamos a entender...

Estou muito triste, mas a raiva me sustenta enquanto sentimento negativo que me faz esquecer a tristeza.
Beijos agradecidos pelo apoio de todos!

Anne M. Moor disse...

Volto aqui pra dizer procês que a corrente de oração está funcionando lindaço. Alice saiu da cirurgia com menos um pedacinho de seu intestino (detonado pela bactéria), mas bem. Superou mais esta. A caminhada vai ser longa, mas a fé nos carrega no colo.
Obrigada a todos.
Beijos