quarta-feira, 4 de junho de 2008

Paz e solidão


Passa o dia sem sentir.
Tarefas ocupam o viver.
Sonhos ficam no limbo.

Chega a noite de uma só vez
trazendo o aconchego
do escuro. Lua a aparecer.

Surgem momentos e vontades
no andar do dia e a chegada

da noite! Paz e solidão!

Paradoxos do viver.
Controvérsias do sonhar.
Contradições do ser.

by Anne M. Moor - 2008
Imagem: M&I Garmash, acessado no Google Images às 18:27 do dia 04/06/2008

18 comentários:

Raquel Neves de Mello disse...

Sonhos ficam no limbo?
Que triste.

Anne M. Moor disse...

É sim... Mas enquanto a gente se ocupa, os sonhos impossíveis ficam esquecidos :-)

Flavio Ferrari disse...

Troca o cobertor elétrico pelo edredon do BBB.

Maria disse...

...E quando chega o final do dia o silêncio passa a tagarelar com a alma.
Bjs

Anne M. Moor disse...

Flávio: :-)

Graça: E com tagarela!!!!!!!!!!!!!!!!! Kd tu????

Raquel Neves de Mello disse...

Deve ser por isso que ando sonhando muito ... Falta de ocupação.

Udi disse...

Anne: voltaste a poetar! Bom demais!

(...e eu atrasadinha, de tanto sonhar!)

Anne M. Moor disse...

Raquel: vai ver :-)

Udi: Obrigada amiga... Sempre é bom te ver por aqui. Andamos todos sonhando muito ultimamente... :-)

Beijos as duas

elbia disse...

Anne... un bello cuadro... para expresar el devenir de nuestros días, el descubrir, el sentir... en definitiva la intensidad de vivir

un beso

Jan disse...

Puxa, bonito.
Transmitir em palavras tais momentos da alma é um dom.
=)


=**************

Clarisse disse...

Perfeito e tão real! Adorei! Bjos sonhadores!

Anne M. Moor disse...

Elbia
Que bueno verte por acá. La intensidade del vivir puede ser bueno o no...
Abrazos

Anne M. Moor disse...

Jan,
Obrigada pela visita e pelo elogio! De onde vens?? Não acho que seja um dom. Como diz um amigo meu, todos podemos escrever - é só querer...
Beijos e volta sempre

Anne M. Moor disse...

Clarisse,
Vamos deixar os sonhos fluirem. Sem sonhar a vida não tem graça...
Beijos de paz

A.Tapadinhas disse...

Rosalinda
se tu fores à praia
se tu fores ver o mar
cuidado não te descaia
o teu pé de catraia
em óleo sujo à beira-mar.

Aqui está uma contradição do ser: poema e imagem tão belos que, no entanto, me fizeram recordar esta canção de protesto de Fausto.
Beijo limpo.
António

Anne M. Moor disse...

António,
Thank you! As contradições da vida aparacem a cada minuto...
Beijão de bom dia

Ernesto Dias Jr. disse...

Gostei do aconchego do escuro, pelo duplo sentido.
Beijão.

Anne M. Moor disse...

Ernesto:
O aconchego da noite parece braços a nos abraçarem ao mesmo tempo em que parece um grande vazio...
Beijos e bom findi