segunda-feira, 6 de abril de 2009

Crepúsculos que falam

O amanhecer dos sentimentos são como o crepúsculo dos sonhos.

A sinuosidade dos ramos perdidos na areia delineiam

formas que ativam a imaginação. Olha-se pelos

ovais criados e vê-se a luz rosa da luminosidade

do sol que surge. Do dia que recomeça.

De amores e desejos que emergem

de palavras e entrelinhas, com

uma força descomunal a

povoar mentes e corpos.

© Anne M. Moor
Imagem: "Driftwood in the Twilight"
Tirado da internet.


26 comentários:

Walmir Lima disse...

Anne,

Inspiradissima!
Imaginando de que fonte inspiradora saiu essa pérola:
"O amanhecer dos sentimentos são como o crepúsculo dos sonhos."

Bravo!!!

Flavio Ferrari disse...

Corpúsculos ao crespusculo ...

A.Tapadinhas disse...

Um conspícuo corpúsculo no crepúsculo, pode causar uma questiúncula para registar num opúsculo.
Ósculo (primeiro:)
António

Anne M. Moor disse...

Walmir,
Estava mesmo... :-)
Obrigada.

Beijo

Anne M. Moor disse...

Flávio,
rsrsrs

Beijos

Anne M. Moor disse...

António,
Viraste poeta?!!!

Amplexo (primeiro) :-)

AC Rangel disse...

Anne

Gosto muito da tua forma de se entregar à tua poesia, da maneira que você tem de transmitir emoções.
Simples ramos na areia podem transformar-se em carinho, assim que suas formas atingem nossa imaginação.
Só os poetas conseguem entender esta realidade.
E não é preciso, sequer, ver estes ramos. Imaginá-los, mesmo a grandes distâncias, pode nos proporcionar prazeres jamais experimentados.

Beijo

Anne M. Moor disse...

Rangel,
Poesia pra mim é hoje minha vida! Os sentires e sentimentos que fervilham jorram no papel expressados por palavras que brotam da alma!!!

Beijo

rm disse...

Gostei de "olhar pelos ovais" e também da "sinuosidade dos ramos".

Coisa de arquiteta!

Anne M. Moor disse...

rm
hahahahahaha Arquiteta eu??? Na ne ni no nu... Sou Professora - Letras!

Beijos

rm disse...

Arquiteta das letras?

(rss)

Rosemildo Sales Furtado disse...

É, realmente ativam a imaginação e faz com que vejamos as belas coisas que descreveste, como, a luminosidade do sol, do dia que começa, de amores e desejos que emergem,..., do povo de um modo geral que tem casa própria, saúde, emprego, segurança, boa alimentação, educação de qualidade, transporte, segurança, esperança de tempos melhores, e, vivem num mundo onde reina a compreenção, a solidariedade, o respeito mútuo, a disciplina, o amor ao próximo, a honestidade (principalmente dos políticos), ou seja, um mundo que de nada possa reclamar.

Adorei. Parabéns!

Abraços,

Furtado.

Anne disse...

rm
Até que sim :-)

Anne disse...

Furtado,
Obrigada. Que bom que leste tudo isso... Por isso que gosto de leitura. Cada um lê de acordo com o que traz para o texto. Fantástico!

Beijo

tertulías disse...

Mas que bonito, que simples e ao mesmo tempo inspirado... Como voce escreve bem!

Anne M. Moor disse...

Tertúlias,
Obrigada pelas palavras simpáticas e carinhosas e por te tornar um seguidor. Passeia pelos meus textos como queiras. Sinta-te a vontade e volta sempre.

Beijo

Amanda Arthur disse...

Até na diagramação você capricha e faz lembrar de um redemoinho, algo assim... Poesia concreta?
Beijo!

Anne M. Moor disse...

Amanda,
Obrigada... Poesia concreta???? Sei lá! Não me preocupo muito com a forma...
Feliz Páscoa e beijos

rm disse...

Não falei?

A Amanda também notou! Poesia CONCRETA, coisa de arquiteta... rss

Janaina Brum disse...

Anne! Ando um tanto sumida da "blogsfera", mas sempre que posso venho dar uma espiadinha!
"De amores e desejos que emergem

de palavras e entrelinhas"

Lindo!

Bjs, bom feriado!

Anne M. Moor disse...

rm
concreta ou concreto????? :-)

Anne M. Moor disse...

Janaíana
bom te ver por aqui. Que bom que gostaste.

Beijos

Cadinho RoCo disse...

Feliz Páscoa que é, de uma certa forma, passagem do acontecido para o acontecer.
Cadinho RoCo

Anne M. Moor disse...

Olá Cadinho
Obrigada pela sua visita e comentário. Seja bem vindo e volte sempre que tiver vontade.

Tens razão... E Feliz Páscoa

Capitu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Capitu disse...

Concretos ou não, se há tradução para sentimentos, estes versos foram os que verdadeiramente souberam fazê-lo! Pude sentir as cores, e todos os caminhos das sinuosidades por eles traçados... Caramba! Nunca vi isto na vida! Mesmo! Nem entre os poetas ovacionados, nem entre os arquitetos do mundo... Parabéns!!!

Um beijo, Anne Moor!