terça-feira, 4 de agosto de 2009

Pedras


Pedras acomodadas em desenhos vários
No chão, nas paredes, nos rios
Cada uma a contar um conto diferente.
Este conjunto de formas criadas
A iluminar vidas com os faróis antigos
De uma cidade histórica
Mostra o velho que nos abraça
No seu afã de deixar memórias
Que nos movem como a carreta
Silenciosa do quadro...

© Anne M. Moor
Foto: Colônia del Sacramiento - Uruguay

19 comentários:

Denise disse...

Assim como vc que ilumina nossas vidas com tão lindas palavras.

carinho
Denise

Marilyn Forito disse...

Leyendo tu bella poesia, siento y vivo la historia de ese pueblo antiguo.

Marilyn

Anne disse...

Denise

Obrigada pelo carinho!

Beijos

Anne disse...

Marilyn

Tán cerca de nuestros corazones cualquier cosa del Uruguay, no????

Besitos

A.Tapadinhas disse...

Espera mais um momento, que eu vou buscar o cavalo, para o atrelar à carroça...

Leva o xaile, que a noite pode estar fria!

Até já!
Beijo.
António

AC Rangel disse...

Pedras acentadas com carinho, como se para durar toda uma eternidade, por mãos humildes, simples, que conhecem, inocentemente, o amor. Este amor do qual muitos zombam, como se não dependessem de ninguém para pisar naquelas pedras.
Lina poesia. Terna.
Beijo

Anne M. Moor disse...

António
O xaile está pronto na espera rsrsrsrs

Beijos

Anne M. Moor disse...

Rangel,
Os que zombam do amor é por que nunca a sentiram...

Beijos

Anne M. Moor disse...

onde se lê "nunca A sentiram" leia-se "nunca o sentiram"...

:-)

Silvia disse...

É amiga, as pedras das nossas queridíssimas ruas estão sempre em nosso pensar e em nosso viver, coisa muito boa por sinal: aquece, emociona. Por isso meu romance se chama "RUAS DE PEDRAS". Tentativa de escrita com cheiro e gosto da querência.

Anne M. Moor disse...

estou louca pra ler teu livro

beijos

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá Anne! Pedras muito bem acomodadas e devidamente assentadas para deleite de poucos, a custa do sacrifício de muitos. Essa é uma das partes da história, que a história não conta.

Beijos,

Furtado.

TetÊ disse...

Anne,

seu poema me fez lembrar de Augusto Cury,
"...ainda construo um castelo com
essas pedras.".


E bem ao encontro de minha vida,
meu momento, por agora.


Obrigada pelas palavras de carinho
e conforto...


Estou soltando o verbo lá no
blog de RM.

http://verbofeminino-rm.blogspot.com/


Beijus!!

Тєтê .......ям иσ νєявσ

rm disse...

Imagem muito bonita. A foto é sua?

Anne M. Moor disse...

Furtado
A história que a história não conta é o que nos traz memórias gostosas...

Beijos

Anne M. Moor disse...

Tetê
Passamos por 'momentos' na vida, que requer de nós uma força que as vezes achamos não ter. Mas, com certeza, temos sim.

Como eu disse ante: um passo de cada vez...

Beijos

Anne M. Moor disse...

rm
A foto foi um amigo meu que tirou quando andou lá por Colonia (no Uruguay). Linda né não...

Beijos

Flavio Ferrari disse...

Pedras desalinhadas
formam um mosaico
lindas, desaforadas

Anne M. Moor disse...

É FF, prendem o olho...