quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Liberdade


Isto era liberdade. Liberdade não é uma noitada com um estranho triste em um hotel barato, afogando as memórias com vinho e no sentir das tristezas de outro. Liberdade é estar sozinho enfrentando a si mesmo e não desviar o olhar; liberdade é nadar nu e exultar em um rio gelado ao amanhecer; e é apenas você, só você e ninguém mais para lhe ajudar, lhe segurar e afastar o mal. E você sabe que essa claridade escura não é felicidade nem infelicidade, é algo diferente de qualquer coisa jamais sentida. Assustador como uma faca no coração. Isso é liberdade. É lá que você encontrará seu consolo, sozinho.

Excerpt from “Solace” by Nicci Gerrard
Tradução minha.

17 comentários:

Flavio Ferrari disse...

Liberdade é o mais precioso bem de um ser humano.

Anne M. Moor disse...

É, mas como diria teu filho, essa liberdade está presa a tanto coisa que nos tonteia...

Beijos

Anônimo disse...

ah anne... agora vc disse tudo! claro que muita coisa tontei, desvia, brilha e deslumbra, enchemos até o peito de ar cercado, os olhos marejam-se quais dois patetinhas... e isso ,tudo isso é vida. Mas a Liberdade, ah é liberdade é SOZNHA.
bj

A.Tapadinhas disse...

Liberdade é tudo isso e o mais que se não diz por ser assustador como um grito na escuridão, ou como uma faca no coração...

Beijo,
António

Carlos Eduardo Leal disse...

Ah, Anne,
Este post é um dos mais bonitos que você já escreveu (talvez seja assim quando a gente lê exatamente o que a gente precisava neste momento)"Liberdade, liberdade, abre as asas sobre nós"
Bjs e obrigado pela sua escrita existir em mim,
Carlos Eduardo

Anne M. Moor disse...

Anônimo
Obrigada pela visita e o comentário, mas seria tão bom saber que és... :-)

Anne M. Moor disse...

António
Assustador mas maravilhoso quando o conseguimos sentir...

Beijos :-)

Anne M. Moor disse...

Carlos Eduardo
Thanks! Mas não fui eu que escreveu não. Eu li num livro que estava lendo e gostei tanto que trouxe pra cá pra compartilhar com vocês.

Beijos

peixe disse...

sou só eu, anne, ou nem isso! assino de peixe! :-)
aqui as vezes deixo alguma coisa mas sp em anónimo, é costume. mas este hj me encheu as medidas de tanta tristeza que, livre, é nada.

Graça Pereira disse...

Liberdade...é um peso que sai de cima de nós...como um alívio e festejamo-la sempre sózinhos!
Um beijo
Graça

vittorio disse...

Liberdade....quimera a coduzir a nossa humanidade por caminhos sempre tortuosos.
Estranho dar-lhe sentido quando não a temos. Embora acredito sermos nossa própria prisão.
A verdadeira liberdade, talvez esteja no desprendimento absoluto do ter, para podermos compartilhar o ser entre todos os seres, entre todas as coisas, entre todas as formas, cores, sabores e sons.
Liberdade a marca do teu blog.

Beijos
Vittorio

Anne M. Moor disse...

Graça
Gostei da tua definição...

Bjinhos
Anne

Anne M. Moor disse...

Vittorio
Compartilhar o ser com pessoa queridas é uma habilidade a ser aprendida a cada minuto das nossas vidas.

Adoro o jeito dos teus escritos...

Beijos
Anne

Udi disse...

Lindo! Só quem já viveu pode descrever tão claramente.

(longe de mim botar reparos em seu texto, mas para que ficasse adequado à minha vida, substituiria o "consolo" por "conforto")
bom finde e feliz dia das crianças ;)
beijos!

Anne M. Moor disse...

Udi dear! O texto não é meu não... Eu só traduzi e conforto cabe tão bem quanto.

Beijão
Anne

Tear de Sentidos disse...

Antes se dizia que o mal do século (XX) era a falta de liberdade. Alguns arriscam a dizer que, agora, a solidão é esse "mal".
E eu, de metida, comento que a liberdade e a solidão são unas, inseparáveis.
Então, até que ponto avançamos em vencer esse "mal"?
Coisas da minha cabeça, Anne, coisas, rsrs!
Bj, Tê!

Anne M. Moor disse...

Tê adoro teus comentários!! :-)

Beijos