sexta-feira, 30 de julho de 2010

Leitura

Eu li em teus olhos as palavras
Que teus lábios não ousaram pronunciar
Eu vi em teu corpo o amor
que teus braços temeram aceitar
Eu senti no arrepio de minha pele
O arrepio de tua alma
Eu provei em tuas mãos o desejo
Que nossos corpos não conseguem dissimular.

by José Eduardo Mendes Camargo (Retirado da Internet)

10 comentários:

Mavourneen disse...

Excellent, Ann Marie. Beijos

Flavio Ferrari disse...

Poesia gostosa ... pena que já não consiga ler os créditos ...

A.Tapadinhas disse...

Esta poesia é sobre as palavras e os actos que ficam por realizar, o que me recorda o livro/filme "As palavras que nunca te direi"...

Aproveito para te dizer que adorei as Sculptures made from paper...

Beijo,
António

Anne M. Moor disse...

Mavourneen,

I only ever found this poem of this poet and it is one I like a lot.

Hugs
Anne M.

Anne M. Moor disse...

Flávio

You lost me... Créditos ????

Abraços
Anne

Anne M. Moor disse...

António

Sabia que irias gostar. São fantásticas!

Beijos
Anne

Marilyn Forito disse...

Muy sensual y triste. Estoy de acuerdo con lo que dice Antonio.

Anne M. Moor disse...

Marilyn

Não necessariamente... It is interesting to see the different readings people make of a same text! This is one of the reasons that I love blogging.

Don't be sad... :-)

Abraços
Anne M.

Jorge Lemoz disse...

Anne

Inspirada. Faz aumentar nosso débito. Imagino o momento, o calor do abraço, a ternura das mãos,o mergulho da mente no infinito espaço.

Grato. Beijão!
Lemos

Anne M. Moor disse...

Jorge

Obrigada você meu querido!

Beijos
Anne