domingo, 27 de janeiro de 2013

O despertar



Apoucar-se nas nuvens cinzentas
De momentos de uma vida é
regalia dos que parvos são!

Permite-se a mágoa
Consente-se sentir o revés
Tolera-se o vazio!

Viver e deixar viver
Insinua-se a cochichar
Provocando o acordar!

© Anne M. Moor

8 comentários:

Graça Pereira disse...

Nuvens cinzentas?..Só por um bocado! Depois, é preciso sacudi-las depressa e agarrar um arco-íris!
Beijocas e uma boa semana.
Graça

zuleica-poesia disse...

Parbéns. Vou pelas pontas do arco-iris, quem sabe fazendo de conta que os revezes não existem ou se desfazem em bruma.

Anne M. Moor disse...

Graça

O arcoiris é melhor rsrsrs

Bj

Anne M. Moor disse...

Zuleica

Prefiro acreditar que se desfazem na bruma :-)

Beijos

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Carlos Eduardo Leal disse...

Olá Anne,
Quanta saudade! Há muito tempo não aparecia por aqui. Fui/fomos invadidos em nossos blogs pelo facebook. Ando retomando o Veredas também. Bjs e é sempre muito, muito bom ler suas poesias. Bjs e carinho meu,
Carlos Eduardo

Anne M. Moor disse...

Carlos Eduardo, E é sempre muito bom ter tua presença no meu blog.

Bj

Anne M. Moor disse...
Este comentário foi removido pelo autor.