quinta-feira, 25 de junho de 2009

Lua, companheira de delírios...


A lua hoje deitada de costas
Qual rede na varanda
A abraçar o mundo, traz
Desejos de sentar na guimba
Balançar as pernas e conversar
Com as estrelas, sussurrar
Segredos, abanar os braços
E cantar a vida aos sete
Cantos da terra! Voar com
Asas de sonhos em direção
Ao achego do teu abraço!

© Anne M. Moor

11 comentários:

Luna Sanchez disse...

Ah, que bonito, isso!

O detalhe dos "cantos da terra", foi de uma delicadeza incrível, Anne.

Um beijo,

ℓυηα

Flavio Ferrari disse...

La luna, siempre deliciosa ...

Anne M. Moor disse...

Luna,

A lua é bonita :-)

Anne M. Moor disse...

Flávio, deliciosa e inspiradora!

Suzana disse...

A Lua semi nua insunua-se outra vez num quarto.

bjs

rm disse...

É Anne Moor ou Anne Moon? rss

Anne M. Moor disse...

Suzana, a lua está sempre conosco! :-)

Anne M. Moor disse...

rm,
As vezes uma, as vezes outra... rsrsrs

Ava disse...

Essa lua de costas...
Como se desse as costa para os enamorados...rs

Em sua misteriosa distancia, a todos seduz...

A ninguém satisfaz...


É a vida...rs


Beijos e carinhos!

Anne M. Moor disse...

Ava,
A lua é amiga se entendermos seu mistério...

Beijos

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá amiga! Passei para te desejar um ótimo final de semana, como também, dizer que adorei o poema e que o aconchego do meu abraço estará sempre esperando.

Beijos,

Furtado.