sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Vidas e escolhas

Ao olhar minhas mãos vejo minha mãe.
Sensação forte de presenças estranhas.
Vêm em mim ações e falas que sempre
lutei contra. Energia do convívio e da herança
é algo a ser refletido.

Enxergar-nos como somos é um exercício
que precisa de mãos alheias
que habitam em nós,
que nos enxergam
que nos amam.

Repetir padrões indesejáveis é
comum, mesmo que achemos
que não as reproduzimos.
Ah, aquele espelho...

Dar-se conta das consequências de
longos anos de história é ler o
livro da vida. Uma vida
cheia de tropeços e acertos

Uma vida vivida!

© Anne M. Moor

10 comentários:

Graça Pereira disse...

Agora, entendo esta afinidade contigo...também eu, nas minhas mãos, no meu rosto e até na minha voz, vejo a minha mãe...há coisas que não repito (poucas) mas há outras que são força e exemplo para mim.
Um beijo.
Graça

Anne M. Moor disse...

Graça
As afinidades que criamos por aqui são maravilhosas e ao mesmo tempo um mistério para algumas pessoas. Nos nossos escritos mostramo-nos nas palavras escolhidas e, especialmente, nas entrelinhas que nos desnudam!!!

Foi muito bom eu ter ido no teu Zambeziana (indicado pelo nosso amigo Rangel)!

Beijos e bom domingo
Anne

A.Tapadinhas disse...

Uma das minhas canções inesquecíveis é cantada por Nat King Cole. Tem o título: "Aquelles ojos verdes".

Está nas primeiras páginas do livro da minha vida...

Beijo,
António

rm disse...

Ei Anne,
muito bonito o verso inicial, demonstrando que até o espelho é prescindível para ilustrar certas semelhanças...

Anne M. Moor disse...

António
Todas as músicas que ele cantava em nossa época são inesquecíveis e fazem parte de nossa história de vida!

Beijos

Anne M. Moor disse...

rm
Que bom te ver de volta aqui...

Nem sempre os espelhos são necessários ou, melhor, 'espelhos' são tantas coisas... inclusive nossos filhos.

Beijos
Anne

Ana Martins disse...

Anne, mas que lindo e profundo poema!
Lindos sentimentos com muita sensibilidade à mistura.

Beijinhos,
Ana Martins

Anne M. Moor disse...

Obrigada Ana pelas palavras carinhosas!! Vindo de uma poeta como tu, me envaidece...

Beijos
Anne

vittorio disse...

É isso somos os reflexos de infinitas imagens em nossa vidas.
Por mais que não queiramos, somos um pouco de todos os que tiveram significados em nosas vidas.
Assim como muitos de nós seremos um pouco de voce que nos brinda com este blog repleto de vida...
beijos

Anne M. Moor disse...

Vittorio

Onde passamos deixamos cair pedacinhos de nós, como tu em todos teus comentários.

Beijos
Anne