quarta-feira, 9 de junho de 2010

Um novo poema velho...

Viajo pelas palavras encontradas em linhas irregulares e versos significantes.
Os segredos de vidas entrelaçadas
pululam pelas pautas bem traçadas
ao brotar de uma alma a se reconstruir.

© 2010 Anne M. Moor

8 comentários:

Carlos Eduardo Leal disse...

"Linhas irregulares e versos significantes." Parece que você está falando da vida, falando de poesia.
Lindo isso!
bjs

Anne M. Moor disse...

Carlos Eduardo

E não é?

Beijos :-)
Anne

Flavio Ferrari disse...

Se é velho, não sei ... mas renova.

vittorio disse...

Pelas palavras me encontro
no desencontro de mim
As coisas nunca ditas cá dentro
jamais permitem o fim

Foge nos versos entre as rimas
meu sentimento prisioneiro
A esconder-te de ti, primas
és alma, em corpo estrangeiro

Perpétuo desencontro eterno desatino
Pobre alma minha, perdida delirante
Que futuro me guarda esse meu destino
No encontro de mim no próximo instante.

Ecos de minha vida, retalhos de emoções dispersas
Formam imagens adormecidas de um tempo distante
Ressoam os amores imortais,hoje eternas promessas
Turbilhão de contradições insanas,
alucinante.

Quero encontrar-me em mim e não posso.
Reflexos de mim mesclam-se nas palavras soltas.
Será este poema louco, meu, teu ou nosso
Pouco importa, ao ler-te, em mim tu voltas.

Falas de poesia e encantas, alem de despertar a alma inquieta.

Beijos
inquietos

Anne M. Moor disse...

Flávio

Back from Paraguai! A renovação é a alma da vida!

Beijão
Anne

Anne M. Moor disse...

Vittorio

Inquieto mas poetando como nunca... Esse desencontro em nós mesmos é o que nos faz andar e olhar ao nosso redor.

Beijos
Anne

Ana Carolina Nunes disse...

Que lindo Anne...
Amei esses versos!

Grande beijo,
Ana.

Anne M. Moor disse...

Ana Carolina

Que sejas bem vinda ao meu Life... Living...! Volta sempre que eu vou adorar.

Bjos
Anne